Revês

Revês

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Entendendo O DESMATAMENTO no Brasil


O desmatamento, não é um problema exclusivo do Brasil, este se encontra por todo o mundo acabando com a biodiversidade natural das florestas e principalmente com o equilíbrio natural dos seres vivos. Isso ocorre muito, por conta de diversos fatores, como por exemplo, o aumento da densidade populacional que força os seres humanos a abrirem mais espaços dentro das matas para sua fixação, entre eles temos o interesse econômico como principal agente causador desta situação.
No Brasil, o desmatamento, tanto legal quanto ilegal, ocorre em diversas regiões, como por exemplo, na Rondônia, no entanto uma pesquisa feita recentemente pela “Agência Brasil” aponta o Pará como principal degradador da Amazônia Brasil atualmente. As conseqüências desta  ação afetam principalmente aos seres vivos que vivem no local a qual fora desmatado, pois a perda da flora que fora atingida faz com que estes sejam obrigados a buscar outras regiões para alimentarem-se e reproduzirem-se, deslocando assim, muitos seres selvagens para os centros litorâneos e ou urbanos, nos quais os animais têm chances quase nulas de se sustentarem. Ainda, encontramos as crueldades que os seres humanos exercem perante essa nova realidade que se cria, ao se expulsar os animais de sua localidade de origem para lugares habitados por homens e mulheres, tidos como “civilizados”. Estes, agridem, matam e comercializam os animais, respectivamente, por questões de segurança, medo e interesse financeiro.
Além dos animais, encontramos o agravamento do efeito estufa, que é um problema grave atualmente, do aquecimento global, que é acelerado pelo desmatamento, do assoreamento/erosão, que impede a produtividade do solo.

Na sociedade capitalista, não existe espaço para refletir-se sobre as questões relacionadas ao preservamento do meio ambiente, ao contrário os grandes capitalistas exigem de seus subordinados ações cada vez mais rápidas e eficientes na degradação do mesmo, afinal é deste que se extrai os elementos fundamentais para criação de produtos que serão comercializados mundialmente. No caso do desmatamento, este ocorre com freqüência, pois a madeira é um elemento fundamental para o desenvolvimento de centenas de produtos muito bem vistos pelos consumidores, pois desde a colonização a madeira brasileira recebeu importância tanto no país quanto no exterior, pois esta possui ótima qualidade, durabilidade e flexibilidade de produção. Estas ações ocorrem também com o objetivo de ocupar a área para destiná-la á agricultura, assim utilizando o solo desmatado para a produção de grãos, vegetais, legumes e etc, que mais tarde serão vendidos nas pequenas cidades rurais e principalmente, nos centros urbanos de todo o mundo.

O desmatamento em Rondônia é resultado do modelo econômico exploratório atual que faz com que ocorra a devastação das Unidades de Conservação e Terras Indígenas no Estado. Segundo o estudo, a "persistência de padrões convencionais caracterizados pela exploração predatória de madeira, a pecuária extensiva e a concentração fundiária, com reflexos no crescimento desordenado das cidades e o aumento da violência, têm contribuído para a intensificação de pressões sobre as unidades de conservação, terras indígenas e outras áreas protegidas no estado". Rondônia tem um dos mais elevados índices de desmatamento da Amazônia Legal, com acúmulo, até o ano de 2007, de quase 9 milhões de hectares, o que representa 44% da área originalmente coberta por florestas.  Os dados mais recentes mostram que, entre agosto de 2007 e abril de 2008, o aumento da área desmatada foi de 23% em relação ao mesmo período do ano anterior e os municípios de Porto Velho e Nova Mamoré se classificaram entre os mais desmatados de toda a Amazônia.

Por fim, observamos que apesar de existirem leis que previnem a exploração em massa dessas matas, as mesmas continuam sem fiscalização pois como vimos, existem grandes índices de desmatamento em toda a Amazônia Brasil.

Charge


Tenho certeza que muitos já se sentiram assim também.