Revês

Revês

domingo, 3 de junho de 2012

Psicologia Junguiana


Para nós, mulheres


Quero tudo novo de novo. Quero não sentir medo. Quero me entregar mais, me jogar mais, amar mais. Viajar até cansar. Quero sair pelo mundo. Quero fins de semana de praia. Aproveitar os amigos e abraçá-los mais. Quero ver mais filmes e comer mais pipoca, ler mais. Sair mais. Quero um trabalho novo. Quero não me atrasar tanto, nem me preocupar tanto. Quero morar sozinha, quero ter momentos de paz. Quero dançar mais. Comer mais brigadeiro de panela, acordar mais cedo e economizar mais. Sorrir mais, chorar menos e ajudar mais. Pensar mais e pensar menos. Andar mais de bicicleta. Ir mais vezes ao parque. Quero ser feliz, quero sossego, quero outra tatuagem. Quero me olhar mais. Cortar mais os cabelos. Tomar mais sol e mais banho de chuva. Preciso me concentrar mais, delirar mais. Não quero esperar mais, quero fazer mais, suar mais, cantar mais e mais. Quero conhecer mais pessoas. Quero olhar para frente e só o necessário para trás. Quero olhar nos olhos do que fez sofrer e sorrir e abraçar, sem mágoa. Quero pedir menos desculpas, sentir menos culpa. Quero mais chão, pouco vão e mais bolinhas de sabão. Quero aceitar menos, indagar mais, ousar mais. Experimentar mais. Quero menos “mas”. Quero não sentir tanta saudade. Quero mais e tudo o mais. “E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha".


Fernando Pessoa

sábado, 2 de junho de 2012

Epigrama


Que mais por sua desonra?… Honra.
Falta mais que se lhe ponha?… Vergonha.

O demo a viver se exponha,
Por mais que a fama a exalta,
Numa cidade onde falta
Verdade, honra, vergonha.
Quem a pôs neste rocrócio?… Negócio.
Quem causa tal perdição?… Ambição.
E no meio desta loucura?… Usura.

Notável desaventura
De um povo néscio e sandeu,
Que não sabe que perdeu
Negócio, ambição, usura.

[…]

A Câmara não acode?… Não pode.
Pois não tem todo o poder?… Não quer.
É que o Governo a convence?… Não vence.

Quem haverá que tal pense,
Que uma câmara tão nobre,
Por ver-se mísera e pobre,
Não pode, não quer, não vence.”
Gregório de Matos 

terça-feira, 29 de maio de 2012

Dica de Livro ; Superando o cárcere da emoção

O belíssimo escritor Augusto Cury surpreende novamente


Para aqueles que gostam de análises psicológicas e, sobretudo, possuem o desejo de compreender como as emoções são capazes de apropriar-se de seus produtores e manipulá-los a tomarem atitudes que fazem mal à eles mesmos.


Tendo destaque em casos relacionados á psicotrópicos, encontramos neste livro a oportunidade de nos observarmos, mais intimamente, com relação aos vícios e desejos que adotamos e que valor damos à estes.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

O telefone e a inspiração ( Quase Aforísmo)


Eu tentei ligar, mas o telefone tocou e ninguém ouviu. Então, eu tentei chamá-la de novo, e nada aconteceuAinda assim, tentei caminhar até sua casa, mas eu me senti tão cansada que desisti depois de vinte minutos. Então, eu tentei ir de ônibus, mas o ônibus quebrou. Eu gostaria muito de te ver, mas eu nunca consigo  ficar junto de você. Um dia, eu desisti de todas as possibilidades de encontrá-la, e então eu parei minhas buscas. Durante a noite, eu tive um sonho, nele, eu ficava muito contente, pois você apareceu, mas você me disse  uma frase de inspiração: - Vê-se claramente apenas com o coração. O essencial é invisível aos olhos. ( Le petit Prince)
No dia seguinte, eu parei de te procurar, minha doce felicidade, e fui para o parque ver as pessoas a brincar.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Dica de Livro

Trecho sobre o Amor de Eros - Extraído do livro "Amor Líquido" de  Zymunt Bauman


"Eros, como insiste Levinas, difere da posse e do poder; não é nem uma batalha nem uma fusão - e nem tampouco conhecimento.

Eros "é uma relação com a alteridade, com o mistério, ou seja, com o futuro, com o que está ausente do mundo que contém tudo o que é... "  O phatos do amor consiste na intransponível dualidade dos seres." Tentativas de superar essa dualidade, de abrandar o obstinado e domar o turbulento, de tornar prognosticável o incognoscível e de acorrentar o nômade - tudo isso soa como um dobre de finados para o amor. Eros não quer sobreviver à dualidade. Quando se trata de amor, posse, poder, fusão, e desencanto, são os Quatro Cavaleiros do Apocalipse.

Nisso reside a assombrosa fragilidade do amor, lado a lado com sua maldita recusa em suportar com leveza a vulnerabilidade. Todo amor empenha-se em subjugar, mas quando triunfa encontra a derradeira derrota. Todo amor luta para enterra as fontes de sua precariedade e incerteza, mas, se obtém Êxito, logo começa a se enfraquecer - e definhar. Eros é possuído pelo fantasma de Tanatos, que nenhum encantamento mágico é capaz de exorcizar. A questão não é a precocidade de Eros, e não há instrução ou expedientes autodidáticos que possam libertá-lo de sua mórbida - suicida- inclinação.

domingo, 15 de abril de 2012

O que é um bom psicólogo?



Para se compreender o conceito de ”bom psicólogo” é necessário analisar desde o surgimento da psicologia até as futuras ações do individuo que a estuda.
Para tal, analisando o texto “Reflexões sobre o estudo da História da Psicologia”, de Lenita Gama, Lucia Cicília, e Walternice Ferreira, que afirma: “- Estudando a psicologia numa dimensão histórico-social, é possível entender a sua constituição em ciência {...}”. Portanto, o homem, tal qual será o futuro psicólogo ou não, carrega consigo a história do mundo em que vive, onde constrói todo o presente, desde o início do pensamento, com os mitos, até a racionalização deste, por intermédio da filosofia ( Sócrates, Aristóteles, e Platão)  que servirá de base para o surgimento da psicologia como ciência . Assim, como se torna necessário estudar o passado par entender o presente, é importante estudar também o sujeito inserido em seu contexto histórico-social, de forma ativa, em relação á sua sociedade vigente. Afinal, um psicólogo que trabalha no Oriente Médio, por exemplo, por mais que seja conceituado e evoluído na área, seria um leigo ao tentar tratar uma pessoa que mora no Ocidente, pois o peso de sua bagagem sócio-histórico-cultural é muito distinto com relação ao seu paciente e isso faz toda a diferença no processo de terapia.
Portanto, para se tornar um bom psicólogo, o futuro profissional precisa estar resgatando sempre as origens do surgimento de sua ciência para não esquecer-se de manter a sua autoavaliação e avaliação da sociedade em atividade, não esquecendo sempre de visar a busca e constituição de novos conhecimentos que o ajudarão tanto como profissional desta área quanto indivíduo inserido no meio social.
                                  


Referência Bibliográfica : Critica ao artigo “Reflexões sobre o estudo da história da Psicologia”

Jouer avec la langue française.... Découvrez les verbes

" Le Rat & la Fée"
> Fable du 21ème siècle.
>
> Pour les hommes, l’existence s’apparente à une vie de rat :
> Rat masse tes chaussettes, Rat bats le siège, Rat mène des sous à la maison,
> Rat pelle ta mère, Rat tisse le jardin, n'en Rat joute pas, Rat vive
> la flamme...
> Et surtout ne Rat conte pas de conneries !
>
> Par contre, la vie d'une femme est un vrai conte de fées:
> Fée le ménage, Fée la vaisselle, Fée à manger, Fée les courses,
> Fée le repassage, Fée la belle, Fée les comptes, Fée pas la gueule,
> Fée tout quoi ...
> Et surtout Fée pas chier !
>
> Fée circuler !


Une pointe - Faites attention à la prononciation

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Isso é grave


Hoje em dia um jovem moralmente correto, moralmente decente, moralmente bondoso é tratado como um jovem moralmente errado, moralmente indecente, moralmente malvado. 
Qual jovem hoje em dia pode pegar um ônibus e ao se sentar (independente de ter outros lugares ou não disponíveis) não é bombardeado por olhares que lhe dizem : - Este não tem vergonha na cara, de vez ficar em pé para dar lugar a quem precisa finge que está dormindo… ?????
Fala sério, meu povo, ser um bom jovem hoje em dia é tão dificil quanto trabalhar o dia inteiro naquilo que não se gosta,  é tão cansativo quanto o trabalho do pedreiro, é tão triste quanto os seus preconceitos.
Os mais velhos não cansam de exigir respeito, mas são os primeiros a lançarem seus preconceitos em cima de nós (jovens).

by: Pamela A.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Trote 2012

Nem todo trote é ruim, nem todos os veteranos são do mal, 
Nesta quarta feira (8 de fevereiro) ocorreu o trote produzido pelos veteranos da Universidade Presbiteriana Mackenzie, ao qual não houve exigências e nem humilhações nem dos bixos( calouros) e nem dos veteranos. No entanto, quando as próprias pessoas se dispõem a fazer loucuras após o termino da recepção, visitando os bares da região e usufruindo de drogas ilegais e legalizadas a responsabilidade já não se cabe ao trote em si, mas sim a cada individuo que se colocou naquela situação após o ocorrido.