Revês

Revês

quinta-feira, 10 de maio de 2012

O telefone e a inspiração ( Quase Aforísmo)


Eu tentei ligar, mas o telefone tocou e ninguém ouviu. Então, eu tentei chamá-la de novo, e nada aconteceuAinda assim, tentei caminhar até sua casa, mas eu me senti tão cansada que desisti depois de vinte minutos. Então, eu tentei ir de ônibus, mas o ônibus quebrou. Eu gostaria muito de te ver, mas eu nunca consigo  ficar junto de você. Um dia, eu desisti de todas as possibilidades de encontrá-la, e então eu parei minhas buscas. Durante a noite, eu tive um sonho, nele, eu ficava muito contente, pois você apareceu, mas você me disse  uma frase de inspiração: - Vê-se claramente apenas com o coração. O essencial é invisível aos olhos. ( Le petit Prince)
No dia seguinte, eu parei de te procurar, minha doce felicidade, e fui para o parque ver as pessoas a brincar.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Dica de Livro

Trecho sobre o Amor de Eros - Extraído do livro "Amor Líquido" de  Zymunt Bauman


"Eros, como insiste Levinas, difere da posse e do poder; não é nem uma batalha nem uma fusão - e nem tampouco conhecimento.

Eros "é uma relação com a alteridade, com o mistério, ou seja, com o futuro, com o que está ausente do mundo que contém tudo o que é... "  O phatos do amor consiste na intransponível dualidade dos seres." Tentativas de superar essa dualidade, de abrandar o obstinado e domar o turbulento, de tornar prognosticável o incognoscível e de acorrentar o nômade - tudo isso soa como um dobre de finados para o amor. Eros não quer sobreviver à dualidade. Quando se trata de amor, posse, poder, fusão, e desencanto, são os Quatro Cavaleiros do Apocalipse.

Nisso reside a assombrosa fragilidade do amor, lado a lado com sua maldita recusa em suportar com leveza a vulnerabilidade. Todo amor empenha-se em subjugar, mas quando triunfa encontra a derradeira derrota. Todo amor luta para enterra as fontes de sua precariedade e incerteza, mas, se obtém Êxito, logo começa a se enfraquecer - e definhar. Eros é possuído pelo fantasma de Tanatos, que nenhum encantamento mágico é capaz de exorcizar. A questão não é a precocidade de Eros, e não há instrução ou expedientes autodidáticos que possam libertá-lo de sua mórbida - suicida- inclinação.