Revês

Revês

domingo, 18 de agosto de 2013

"A palavra é prata e o silêncio é ouro" O dia em que se perdeu...

Todos os dias somos açoitados por diversos obstáculos que surgem em nossas vidas desde trabalhos extras, de aparelhos que não funcionam, de pessoas que dizemos que não “são mais as mesmas” até a perda de um membro do corpo, um casamento de décadas que faliu e mudou a realidade de várias pessoas e a morte.
 O problema não são os obstáculos de fato, mas sim como você os apreende do mundo e quem você seleciona para ser seu alvo de confiança. Fato é que, se você aceita o obstáculo tal como ele está aparecendo em sua vida e pensa em maneiras positivas de  enfrenta-lo você terá mais facilidade de conquistar o sucesso do que aquele que prefere sentir o quão pesado é o fardo que carrega. E mais, quando você, juntamente de outros indivíduos, constrói laços afetivos fortes e saudáveis, quando chegar no obstáculo terá alguém para te motivar e apoiar, podendo ser por : sms, e-mail, carta (retrô), ligação, presencialmente e o  saber de que alguém conta com você e torce por você te impedirá o sentimento de solidão, por mais que as vezes  o sentimento que o outro ofereça possa ser interpretado pelo receptor como mais responsabilidade também.  Como Freud dizia, o ser humano desiste da vida quando se sente sozinho. Quando  o ser humano de fato se sente sozinho, ele é capaz de cometer atrocidades consigo e com os outros seres sociais, por isso quando observo as  ideias que são disseminadas pelos grandes capitalistas da atualidade, que parte desde artistas até instituições fechadas,  receio o que será feito para que o ser humano se sinta menos sozinho e mais “feliz”. Afinal, as ideias atuais se baseiam em individualidade e não em coletividade. Não acredita? Observe nomes de programas de televisão, de livros de autoajuda e de propagandas de massa. “Sempre terá um “VOCÊ” exaltado ou um” PRA VOCÊ” ( inclusive,  existe um programa de televisão brasileiro com esse nome.) Ou seja,  eles afirmam que você, sujeito social instintivamente e culturalmente, a depender de suas crenças filosóficas, é o único responsável pelas situações que te cobrem ao decorrer da sua vida e que se você não conquista  algo por mais esforço que exerça é porque não persistiu o suficiente ou não teve “fé”, termo que pode ser considerado tanto como  acreditar fervorosamente em algo ou na terminologia judaico-cristã, enfim,  você é o centro de tudo e responsável por tudo que lhe ocorre. Sendo extremista, se amanhã você for morto por algum evento social , serão encontradas maneiras que justifiquem que você teve parcela de culpa por aquilo direta ou indiretamente.  Ser extremista, para nada é uma posição segura, por isso trago a ressalva que SIM,  segundo minhas crenças,  acredito que todos são responsáveis  direta ou indiretamente por algo, porém, não são a causas e consequências de muitas situações que são vistas como determinadas pela sociedade.

Não, você não é um bicho independente, feliz e racional como vendem os produtos automotivos, cosméticos e alimentícios. Você necessita do outro, para os judaico-cristãos desde a bíblia que também é uma forma de conhecimento que deve ser  validada socialmente, encontramos afirmações que nos mostram que precisamos do outro para sobreviver e para sermos felizes.

Ser racional, constante e sociável aparentemente não leva a nada se não se está feliz, se quando aparece um obstáculo em sua vida você fica desarmado pelas próprias experiências que te levaram ao desconforto anteriormente. Não adianta parecer e não ser. Não adianta querer, se esforçar sozinho e não obter resultados! Porque uma suposta verdade a que confio é essa “querer não é poder” e para PODER precisamos do outro, precisamos de pessoas de confiança, precisamos nos conhecer integralmente. Ou seja, precisamos...