Revês

Revês

sábado, 30 de novembro de 2013

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

No Rio de Janeiro

- Garçom!  Uma dose de vinho grande o suficiente para eu me afogar nos olhos da serpente!


Sequestro de mim.

Esse tempo abafado
Esse algo que me sufoca
Eu sou um ser humano ou um ente que me transborda ?

Cansa-se, desespera-se e não avança
Se quebra as pernas não descansa...
Destrói, odeia e se desajeita
O próprio ódio e a angústia
não são passageiras!

Sangue, temor e impaciência
que desçam as setes taças
sobre à mesa...

O mundo está lhe aguardando
que faça o juízo e rompa os prantos
Não sou santo e nem pecador
na condição que nasci sou
filha do Senhor.

Que Deus me perdoe se eu estiver pecando
Que me abençoe quando eu estiver orando

Que o mundo novamente se torne belo
Para os que têm fé que se crie um novo elo
Para aqueles que em nada acreditam que façam
suas próprias escritas!

Não há problemas nisso, tudo tem seu
fim e inicio.

Então que paremos por aqui agora
E que você vá conhecer o mundo afora.

Da flor. ( Conheça o mundo e volte para me amar)

Da flor.

O beijo!
Que demonstração de carinho e desejo
O toque!
Como arrepia, assusta e consome
A surpresa...  Quem diria que colocariam o assunto
À mesa?
O beijo, o toque e a surpresa...
Quais profundezas se tornam
Pequenas?
A surpresa, o toque e o beijo
Qual é o destino das coisas que eu penso?
Sentindo pouco e pensando mais
 Eu peço não toque meu coração
Se o seu não for de mármore
Não ganhe minha atenção
Se a sua não for focal
Não brinque de amar alguém
Se não sabes o que é o desabrochar da mata


Você é capaz de sentir ou não a própria dor ?